domingo, 1 de janeiro de 2017

REFLEXÕES PARA ESTE ANO DE 2017

ANO LITÚRGICO 2016-2017: EVANGELHO DE SÃO MATEUS

O Ano Litúrgico é o “calendário religioso”. Por ele, o povo cristão revive anualmente todo o Mistério da Salvação centrado na Pessoa de Jesus, o Messias. O Ano Litúrgico contém as datas dos acontecimentos da História da Salvação; contudo, não coincide com o ano civil, que começa no dia primeiro de janeiro e termina no dia 31 de dezembro.

O Ano Litúrgico, por sua vez, começa com o Primeiro Domingo do Advento e termina na última semana do Tempo Comum, onde se celebra a solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo, Rei do Universo (Cristo Rei). Em outras palavras, ele começa e termina quatro semanas antes do Natal, cumprindo sempre três ciclos: A, B e C. No Ano (ou ciclo) A, predomina a leitura do Evangelho de São Mateus; no Ano (ou ciclo) B, predomina a leitura do Evangelho de São Marcos e no Ano(ou ciclo) C, predomina a leitura do Evangelho de São Lucas. O Ano Litúrgico é composto de diversos “tempos litúrgicos” e sua estrutura é a seguinte:

Tempo do Advento
Tempo do Natal
Tempo Comum ( Primeira parte )
Tempo da Quaresma
Tríduo Pascal
Tempo Pascal
Tempo Comum


Para conhecer e meditar melhor o Evangelho de São Mateus acesse: http://www.pnslourdes.com.br/formabi_evsaomateus.htm


ANO MARIANO

 

O Papa Francisco confirma o Ano Jubilar Mariano e concede indulgência plenária aos fiéis




Em reconhecimento de o Ano Jubilar Mariano que está em curso no Brasil por ocasião dos 300 anos do encontro da imagem de Nossa Senhora da Conceição no rio Paraíba do Sul, o Papa Francisco concedeu a indulgência plenária àqueles que, “verdadeiramente penitentes e impulsionados pela caridade”, peregrinarem à Basílica do Santuário Nacional ou a qualquer igreja paroquial do país dedicada à padroeira.

O Ano Nacional Mariano começou em 12 de outubro de 2016 e segue até 11 de outubro de 2017. Foi convocado pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) como um tempo para celebrar, fazer memória e agradecer pelo terceiro centenário da devoção a Nossa Senhora Aparecida.

Como alcançar a indulgência

Para obter a indulgência plenária, serão necessárias, em primeiro lugar, as condições habituais:
– a confissão sacramental;
– a comunhão eucarística;
– a oração na intenção do Santo Padre, o Papa.

O documento enviado pelo Supremo Tribunal da Cúria Romana ressalta que a remissão será concedida “aos fiéis verdadeiramente penitentes e impulsionados pela caridade, se, em forma de peregrinação, visitarem a Basílica de Aparecida ou qualquer igreja paroquial do Brasil dedicada a Nossa Senhora Aparecida”.

No local da peregrinação, os fiéis deverão “devotamente participar das celebrações jubilares ou de promoções espirituais ou, ao menos, por um conveniente espaço de tempo, elevar humildes preces a Deus por Maria”. A conclusão deste momento deve acontecer com a “Oração Dominical, com o Símbolo da Fé e com as invocações da Beata Maria Virgem em favor da fidelidade do Brasil à vocação cristã, impetrando vocações sacerdotais e religiosas e em favor da defesa da família humana”.

A indulgência é a “remissão, diante de Deus, da pena temporal devida pelos pecados já perdoados quanto à culpa. O fiel bem disposto obtém esta remissão, em determinadas condições, pela intervenção da Igreja, que, como dispensadora da redenção, distribui e aplica, por sua autoridade, o tesouro das satisfações (isto é, dos méritos) de Cristo e dos santos” (cf. Paulo VI, constituição apostólica Indulgentarium Doctrina).

Idosos e enfermos

O documento enviado pelo Vaticano estabelece uma condição especial para a obtenção das indulgências pelos fiéis impedidos de fazer a peregrinação por conta da idade ou de grave doença. Eles a poderão alcançar se, “assumida a rejeição de todo pecado e com a intenção de cumprirem onde primeiro for possível as três condições, espiritualmente se dedicarem, diante de alguma pequena imagem da Virgem Aparecida, a funções ou peregrinações jubilares, ofertando suas preces e dores ao Deus misericordioso por Maria”.

Orientações aos padres

De acordo com a orientação da Santa Sé, os sacerdotes aos quais está confiado o cuidado pastoral da Basílica de Aparecida e os párocos das paróquias que possuem o título de Nossa Senhora Aparecida deverão, “com ânimo pronto e generoso”, oferecer-se para a celebração da penitência e administrar muitas vezes “a Sagrada Comunhão aos enfermos”.

O pedido de concessão da indulgência durante o Ano Nacional Mariano foi feito pelo arcebispo emérito de Aparecida (SP), cardeal Raymundo Damasceno Assis. Na solicitação, o cardeal explicou que, durante o tempo jubilar da Igreja no Brasil, serão realizadas “várias celebrações sagradas e peregrinações em honra da celeste Padroeira do Brasil, não só na Basílica Nacional do Santuário de Aparecida, mas também em todas as igrejas paroquiais dedicadas em honra dela”, para que cresça nos fiéis “o piedoso afeto para com a ‘Virgem Aparecida’ e, assim, se tornem mais fortes nos seus veneradores a fé, a esperança e a caridade, e eles próprios, refeitos pelos sacramentos, sejam mais e mais estimulados a conformarem a vida ao Evangelho”.



A CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2017

 

CNBB apresenta texto-base da CF 2017



A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) publicou o texto-base da Campanha da Fraternidade (CF) de 2017. Com o tema “Fraternidade: biomas brasileiros e defesa da vida” e o lema “Cultivar e guardar a criação” (Gn 2.15), a iniciativa alerta para o cuidado da criação, de modo especial dos biomas brasileiros.

Segundo o bispo auxiliar de Brasília (DF) e secretário geral da CNBB, dom Leonardo Ulrich Steiner, a proposta é dar ênfase a diversidade de cada bioma e criar relações respeitosas com a vida e a cultura dos povos que neles habitam, especialmente à luz do Evangelho. Para ele, a depredação dos biomas é a manifestação da crise ecológica que pede uma profunda conversão interior. “Ao meditarmos e rezarmos os biomas e as pessoas que neles vivem sejamos conduzidos à vida nova”, afirma.

Ainda de acordo com o bispo, a Campanha deseja, antes de tudo, que o cristão seja um cultivador e guardador da obra criada. “Cultivar e guardar nasce da admiração! A beleza que toma o coração faz com que nos inclinemos com reverência diante da criação. A campanha deseja, antes de tudo, levar à admiração, para que todo o cristão seja um cultivador e guardador da obra criada. Tocados pela magnanimidade e bondade dos biomas, seremos conduzidos à conversão, isto é, cultivar e a guardar”, salienta.

Além de abordar a realidade dos biomas brasileiros e as pessoas que neles moram, a Campanha deseja despertar as famílias, comunidades e pessoas de boa vontade para o cuidado e o cultivo da Casa Comum. Para ajudar nas reflexões sobre a temática são propostos subsídios, sendo o texto-base o principal.

Dividido em quatro capítulos, a partir do método ver, julgar e agir, o texto-base faz uma abordagem dos biomas existentes, suas características e contribuições eclesiais. Também traz reflexões sobre os biomas e os povos originários, sob a perspectiva de São João Paulo II, Bento XVI e o papa Francisco. Ao final, são apresentados os objetivos permanentes da Campanha, os temas anteriores e os gestos concretos previstos durante a Campanha 2017.

Cartaz

Para colocar em evidência a beleza natural do país, identificando os seis biomas brasileiros, o Cartaz da CF 2017 mostra o mapa do Brasil, em imagens características de cada região. Compõem também o cenário, como personagens principais, os povos originários; os pescadores e o encontro da imagem de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil, acontecido há 299 anos. Além da riqueza dos biomas, o cartaz quer expressar o alerta para os perigos da devastação em curso, além de despertar a atenção de toda a população para a criação de Deus.


JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE

Foram divulgados pelo Dicastério para os Leigos, Família e Vida os temas escolhidos pelo Papa Francisco para as próximas Jornadas Mundiais da Juventude.

Os temas são dedicados a Maria. Para 32ª Jornada Mundial da Juventude em 2017 o tema é: “O Todo-poderoso realizou grandes coisas em meu favor”. Para a 33ª Jornada, a ser celebrada em 2018, o tema escolhido pelo Santo Padre é: “Não temas, Maria, porque encontraste graça junto de Deus”. Estas jornadas de 2017 e 2018 serão vividas nas dioceses. Entretanto a 34ª Jornada Mundial da Juventude que se realizará no Panamá, em 2019, tem como tema: “Eis a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a tua palavra”.

Segundo informa o Dicastério para os Leigos, Família e Vida, “os três temas anunciados têm como objetivo dar uma conotação mariana forte ao itinerário espiritual das próximas JMJ, recordando ao mesmo tempo a imagem de uma juventude a caminho entre passado (2017), presente (2018) e futuro (2019), animada pelas três virtudes teologais: fé, caridade e esperança”. 

Sobre esta inspiração mariana do percurso proposto aos jovens até ao grande evento de 2019, no Panamá, a Rádio Vaticano conversou com o padre João Chagas, brasileiro e responsável pelo Setor Juventude do Dicastério para Leigos, Família e Vida.

É a primeira vez que um caminho de preparação para um Jornada terá todo o percurso mariano. Nós já tivemos, em todo esse percurso de mais de 30 JMJ’s, duas vezes em Jornadas celebradas em nível diocesano, os temas marianos. Mas nunca houve um tema mariano em um Jornada Mundial internacional. Desta vez nós vamos ter três seguidos: todo um caminho mariano, uma grande alegria, uma grande bênção: sabemos como nosso povo e nossa juventude tem um carinho especial pela mãe de Deus".

"A Arquidiocese do Panamá é a primeira diocese em terra firme do continente americano e tem uma grande devoção a Nossa Senhora chamada ‘La Antigua’. Maria ‘La Antigua’ que é uma devoção de origem espanhola, mas que é muito forte no Panamá. E, com certeza, para o Brasil, por exemplo, acho que foi muito significativa essa escolha de um tema mariano, de temas marianos, exatamente  quando o Brasil celebra os 300 anos de Aparecida, Portugal, os 100 anos de Fátima, então, cai como uma luva. Não foi uma coisa, acredito, intencional, mas com certeza na intenção de Deus foi providencial”. 

O caminho mariano proposto aos jovens para as JMJ está em sintonia com a reflexão que o Papa Francisco confiou ao próximo Sínodo dos Bispos de 2018: “Os jovens, a fé e o discernimento vocacional”.
(RS/MJ/RB)




Jornal Online “A Voz de Lourdes” – Janeiro de 2017
Compilação e Edição: Sérgio Bonadiman - Revisão e Publicação: Dermeval Neves
Responsabilidade: PASCOM Paróquia Nossa Senhora de Lourdes - Vila Hamburguesa – SP
Site da Paróquiahttp://www.pnslourdes.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário